RN EM FOCO

RIO GRANDE DO NORTE EM FOCO

RIO GRANDE DO NORTE EM FOCO
RIO GRANDE DO NORTE EM FOCO
Últimas Notícias
recent

Após comprar caixão, família descobre que parente preso está vivo



Alívio. Essa é a sensação que o auxiliar administrativo Juliano Neves, de 28 anos, descreve para o que ocorreu com ele e seus familiares. A família havia sido notificada na manhã de terça-feira pelo Instituto Médico Legal que o corpo de seu primo Luciano Santos, 31, que cumpria pena de roubo, estava entre os mortos do massacre no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compej), em Manaus. O caixão e o funeral já estavam preparados, quando eles foram informados, no fim da tarde, que na verdade o detento que cumpre pena de roubo estava vivo e estava sendo transferido para o Cadeia Pública Raimundo Vidal Pessoa, no centro da cidade.

Juliano já havia reclamado da demora e da falta de informações por parte do IML. Ele conta que eles deram certeza do óbito e por isso a família havia preparado todos os procedimentos.

— O IML tinha confirmado a morte dele. Mas à tarde uma assistente social nos ligou informando que ele estava vivo e estava sendo transferido do Compaj para a Raimundo Vidal Pessoa. É um alívio. Eles dão muitas informações desencontradas, por isso já tinhámos comprado o caixão e preparado todos os procedimentos do velório. Agora estamos aliviados porque sabemos que ele está vivo – comemorou Juliano.

Após a confirmação de que seu primo estaria vivo, Juliano e seus familiares foram para a Cadeia Pública Raimundo Vidal Pessoa, localizada no centro de Manaus, onde por volta das 21h30, onde chegou a ver Luciano.

— Chegamos lá ainda no fim da tarde, pois a assistente social havia nos avisado que ele estaria sendo transferido. O caminhão que estava com os detentos ficou parado por volta de quatro horas. Perto de 21h30, quando eles começaram a descer, vi quando ele entrou no presídio. Ai, o alívio foi ainda maior – finalizou.

— Eles não passam nada. Falam que tem uma lista, mas na verdade não tem lista nenhuma. Ontem pegaram os dados e disseram que iam nos ligar por volta de meia-noite, mas não ligaram. Hoje pela manhã, tive que passar as características de novo e foi quando confirmaram que ele estava entre os mortos. Isso é desumano. Eles (funcionários) passam debochando da nossa cara. Ficam rindo da nossa cara e dizem que bandido tem que morrer mesmo. Isso é coisa que se faça? — questionou Juliano.



O Globo





Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.